Carregando... Por favor, aguarde...

Informativo Herbalife


TENDÊNCIAS PARA DOENÇAS NA SOCIEDADE MODERNA

Postado em 05/07/13 : 07:07:47

TENDÊNCIAS PARA DOENÇAS NA SOCIEDADE MODERNA Os padrões de estado mórbido e mortalidade foram submetidos a uma mudança dramática nas sociedades ocidentais nosúltimos 150 anos. Em meados do século XIX as maiores causas de morte eram acidentes e infecções. Isso ainda ocorre namaioria dos países desenvolvidos até hoje. A falta de vacinas e antibióticos e a falta de higiene geral permitem que doençasinfecciosas ainda assolem a sociedade moderna. Freqüentemente, infecções graves acabam se tornando fatais por causa daincapacidade em controlá-las e da falta de tecnologia avançada de esterilização cirúrgica. No mundo moderno, odesenvolvimento de vacinas, antibióticos, saúde pública, medidas de higiene e a melhora da técnica cirúrgica relegaram asmortes por estes motivos a um segundo plano, exceto em alguns subgrupos da população. No fim do século XX, a maior causade mortalidade entre os homens jovens de 18 a 25 anos no ocidente são os acidentes, e as infecções geralmente só são fataisnas pessoas de muita idade. Naturalmente isso não acontece, como observado acima, na maioria dos países desenvolvidos e para alguns grupos da população desenvolvida a deficiência imunológica adquirida (AIDS) é uma séria ameaça. Na sociedade ocidental, a maior causa de mortalidade por doença permanecem sendo os problemas de arteriosclerose cardíaca. Só no oeste da Europa e nos Estados Unidos, aproximadamente quatro milhões de pessoas sofrem ataquescardíacos todos os anos, representando uma incidência em torno de um em cada 200 habitantes. Aproximadamente um terçodestas pessoas, ou seja, em torno de 1.300.000 morrem antes de chegar na unidade de tratamento cardíaco intensivo. O elo entre este tipo de doença cardíaca e os fatores alimentares, incluindo excesso de gordura, colesterol e calorias na alimentaçãoé virtualmente irrefutável hoje em dia. O câncer é atualmente a causa de morte número dois no ocidente e contabiliza mais de 2.000.000 de mortes anualmente. É estimado por diversas associações de câncer que aproximadamente um terço dos casos de câncer têm alguma relação comcomponentes nutricionais. Curiosamente, os fatores nutricionais que mais contribuem para o câncer são os mesmos quecontribuem para as doenças cardiovasculares e incluem alimentação com excesso de gordura e calorias e deficiência de fibra,que conduzem a condições de excesso de peso ou obesidade. Derrame cerebral é a terceira maior causa de mortalidade eestá relacionada tanto com a arteriosclerose quanto com a hipertensão. A hipertensão também vem sendo relacionada com a alimentação, visto que uns 20% dos casos são sensíveis ao sal e a obesidade relacionada com a alimentação contribuisignificativamente para a hipertensão. Do ponto de vista da morbidade, milhões de pessoas sofrem de diabetes iniciada naidade adulta que agora é reconhecida ser uma condição 100% controlável com alimentação apropriada. Fatores de conduta saudáveis incluindo controle de peso e mudanças de hábitos alimentares podem muitas vezes eliminar completamente a necessidade de medicamentos para os diabéticos. Outra doença relacionada com a alimentação é a osteoporose ou ‘doençados ossos quebradiços’. Esta doença aflige mulheres nos anos após partos e resulta da perda de massa cortical dos ossos. Ela é conseqüente da produção inadequada de estrógeno que resulta da involução dos ovários durante a menopausa. Existemsignificantes evidências científicas para indicar que mulheres que começam uma dieta suplementar desde cedo com cálcio e outros minerais importantes na formação dos ossos e continuam esta suplementação através da vida adulta podem, mesmocom uma moderada quantidade de exercícios, adiar ou possivelmente eliminar o início desta doença que representa a causade morbidez e mortalidade número um em senhoras de idade.