Carregando... Por favor, aguarde...

Informativo Herbalife


Frutas e hortaliças são fontes alimentares de pigmentos coloridos

Postado em 06/06/14 : 09:06:47

CIÊNCIA ATUAL

  1. Frutas e hortaliças são fontes alimentares de pigmentos coloridos.

    Frutas e hortaliças são fontes alimentares de pigmentos coloridos. Devido aos seus benefícios nutricionais e fitoquímicos, são considerados como "elementos funcionais”. Os carotenoides são alguns dos fitoquímicos coloridos mais vitais, ocorrendo como isômeros cis e todo-trans, e representam as cores brilhantes de uma variedade de frutas e hortaliças. Os carotenoides extensivamente estudados neste aspecto incluem β-caroteno, licopeno, luteína e zeaxantina. A coloração de frutas e hortaliças depende da maturidade do seu crescimento, da concentração de isômeros de carotenoides, e dos métodos de processamento de alimentos. Este artigo foca mais em carotenoides e seus isômeros presentes em diferentes frutas e hortaliças, e suas concentrações. Os carotenoides e os seus isômeros geométricos, também desempenham um papel importante protegendo células da oxidação e dos danos celulares.

    1) Khoo HE, Prasad KN, Kong KW, Jiang Y, Ismail A. Carotenoids and their isomers: color pigments in fruits and vegetables. Molecules. 2011 Feb 18;16(2):1710-38. 
    (Carotenoides e seus isômeros: pigmentos coloridos em frutas e hortaliças)


    Muitos dos fitoquímicos encontrados em frutas e hortaliças dão cor a esses alimentos. O sistema de codificação por cores é uma maneira fácil de comunicar aos consumidores a importância de uma maior diversidade de frutas e hortaliças na dieta. Alimentos vermelhos contêm licopeno, o pigmento do tomate, que está localizado na glândula da próstata e pode estar envolvido na manutenção da saúde da próstata. Vegetais verde-amarelos, como milho e verduras, contêm luteína e zeaxantina, que estão localizados na retina onde ocorre a degeneração macular relacionada à idade. Alimentos vermelho-roxos contêm antocianinas, que são poderosos antioxidantes encontrados em maçãs vermelhas, uvas, frutas vermelhas e vinho. Alimentos de cor laranja, incluindo cenouras, manga, damasco e abóbora, contém betacaroteno. Alimentos amarelo-alaranjados, incluindo cítricos como laranjas, tangerinas e limões contêm flavonoides. Os alimentos verdes, como brócolis, couve de Bruxelas e couve, contêm glucosinolatos. Alimentos branco-verde da família da cebola contêm sulfetos alílicos. Os consumidores são aconselhados a ingerir diariamente uma porção de cada um dos grupos acima. O código de cores proporciona uma simplificação, mas também é importante como uma forma de ajudar os consumidores a encontrar facilmente frutas e hortaliças comuns enquanto estão viajando, comendo em restaurantes ou no trabalho. Em casa, maneiras simples de preparar os alimentos de forma rápida e fácil são necessárias para influenciar os padrões alimentares.

    2) Heber D, Bowerman S. Applying science to changing dietary patterns. J Nutr. 2001 Nov;131(11 Suppl):3078S-81S. Review. Free Full Article on PubMed. 
    (Aplicando a ciência para mudar padrões alimentares)


    A evidência dos benefícios para a saúde associados ao consumo de uma variedade de frutas, legumes e verduras (FLV) é bem conhecida. A campanha americana "5 A Day Color Way" é um esforço nacional para traduzir a ciência com uma mensagem para o público para aumentar o consumo de FLV coloridos. A extensão da tradução e da adesão a estas recomendações entre as famílias em um ambiente comunitário é uma importante questão de saúde pública. Pais inscritos em oito programas de educação de um município rural do Missouri responderam pesquisas para seus filhos pré-escolares (n = 1658) sobre o consumo de FLV e as barreiras para comprá-los através das cores. 40% (n = 668) dos pais e 26% (n = 425) das crianças haviam consumido alimentos de todas as cinco cores em algum momento na semana anterior. No entanto, nenhum dos pais e apenas uma criança alcançou a perfeita adesão às diretrizes (todas as 5 cores na maioria dos dias da semana). Não gostar do sabor e não ter o hábito de comprar FLV coloridos foram preditores significativos para o não cumprimento das recomendações para os FLV vermelho, amarelo/laranja e verde. Intervenções voltadas para as crianças e suas famílias (ou seja, espaços de cuidados infantis, escolas de ensino fundamental), que estabelecem preferência por FLV de cor específica podem ser úteis, mas apresentam alguns desafios a serem superar.

    3) Nanney MS, Schermbeck R, Haire-Joshu D. Examination of the adherence to the "5 A Day the Color Way" campaign among parents and their preschool children. J Cancer Educ. 2007 Fall;22(3):177-80. 
    (Exame da adesão à campanha "5 A Day the Way Color" entre os pais e seus filhos pré-escolares).


    Quatrocentos e noventa homens negros urbanos, principalmente imigrantes, da área metropolitana de Nova York que participavam do Ensaio (2005-2007) Cancer Awareness and Prevention (CAP) foram aleatoriamente designados para os dois grupos de intervenção: 1) Educação sobre Frutas, Legumes e Verduras (EFLV) e um grupo de comparação recebendo Educação sobre a Próstata (EP). Ambas as intervenções implicaram no envio de um folheto pelo correio, além de duas ações de educação com telefonemas personalizados (TTE). Os resultados, medidos no início do estudo e aos oito meses do estudo, incluíram o conhecimento sobre as recomendações de frutas, legumes e verduras (FLV), benefícios percebidos, o estágio de prontidão para adotar as recomendações e o consumo autorrelatado de FLV. No acompanhamento, o grupo EFLV consumiu uma média de 1,2 mais porções de FLV por dia do que o grupo EP ( P <0,001; ajustado para o início do estudo). O grupo EFLV também demonstrou aumento no conhecimento sobre as quantidades recomendadas de FLV (P <0,01) e porções adequadas (P <0,05) e, na porcentagem de participantes se deslocando de um estágio menor a um estágio superior de prontidão para adotar as recomendações de FLV (P <0,05). O grupo EFLV não demonstrou aumento nos conhecimentos relacionados com a importância de consumir uma variedade de FLV colorida ou na capacidade de nomear seu benefícios potenciais de saúde. Este estudo mostra que a educação via telefone pode aumentar a conscientização sobre a ingestão recomendada de frutas, legumes e verduras e levar a um aumento da ingestão desses alimentos.

    4) Wolf RL, Lepore SJ, Vandergrift JL, Basch CE, Yaroch AL. Tailored telephone education to promote awareness and adoption of fruit and vegetable recommendations among urban and mostly immigrant black men: a randomized controlled trial. Prev Med. 2009 Jan;48(1):32-8. 
    (Ação educacional via telefone para promover a conscientização e a adoção das recomendações de frutas e hortaliças entre os homens urbanos e principalmente de imigrantes negros: um estudo controlado randomizado).



  2. Estudos sobre o balanço energético revelam associações entre micróbios do intestino, a carga calórica e absorção de nutrientes em seres humanos.

    Estudos recentes em ratos indicaram uma inter-relação entre o balanço energético, a dieta e a composição das bactérias do intestino. De modo que uma dieta conhecida por causar ganho de peso em ratos em um ambiente livre de germes ou um com bactérias normais no cólon, os ratos com bactérias tiveram maior ganho de peso do que os ratos que vivem em um ambiente livre de germes, sugerindo que as bactérias aumentam a eficiência com que calorias dos alimentos foram absorvidas pelo corpo em comparação com ratos que foram livres de germes comeram os mesmos alimentos.

    Investigadores neste estudo clínico testado como as bactérias do intestino foram afetados pela alteração do número de calorias ingeridas de uma dieta constante de 2400 calorias por dia para 3.400 calorias por dia. O ponto principal foi para ver se as bactérias do intestino afetam a eficiência de retenção de calorias no organismo a partir dos alimentos ingeridos. Todas as dietas tinham uma composição semelhante (24% de proteína, gordura de 16% e carboidratos 60%) e teor de fibras. Eles descobriram que a dieta mudança resultou na quantidade de energia absorvida por cerca de 150 calorias e estas mudanças foram associados com um aumento de vinte por cento na população de uma espécie bacteriana chamada Firmicutes, enquanto ao mesmo tempo, houve uma diminuição em outras espécies bacterianas, Bacteróides. Estes resultados mostram que calorias superalimentação podem influenciar a estrutura do intestino de bactérias em períodos curtos e afetar o balanço energético.

    Jumpertz R, Le DS, Turnbaugh PJ, Trinidad C, Bogardus C, Gordon JI, Krakoff J.
    Estudos sobre o balanço energético revelam associações entre micróbios do intestino, a carga calórica e absorção de nutrientes em seres humanos. 
    Am J Clin Nutr. 2011 ;94:58-65. 
    http://www.ajcn.org/content/94/1/58.abstract



  3. Efeito de proteínas de diferentes fontes sobre a composição corporal.

    Dietas de alta proteína têm efeitos benéficos sobre a regulação de gordura corporal, mas a diferença no efeito de vários tipos de proteínas não é conhecida. Esta revisão examina se as proteínas de fontes diferentes têm efeitos similares sobre a composição corporal e balanço energético. Dietas de alta proteína têm efeitos benéficos sobre a regulação de gordura corporal, mas a diferença no efeito de vários tipos de proteínas não é conhecida. Assim, esta revisão examina se as proteínas de fontes diferentes têm efeitos similares sobre a composição corporal e balanço energético. Proteínas animais, principalmente de leite, parecem apoiar a síntese de proteína muscular melhor do que as proteínas vegetais. Isso poderia aumentar o gasto energético, mas nenhuma conclusão pode ser tirada a partir da evidência escassa. Alguns estudos, mas não todos, demonstram o maior efeito saciante do soro de leite e proteínas de peixe do que outras fontes de proteína. As evidências de estudos de intervenção comparando os efeitos de diferentes fontes de proteína no peso corporal são inconclusivas. No entanto, a composição corporal não foi avaliada precisamente nesses estudos e literatura ainda está incompleta (por exemplo, dados comparativos estão faltando para legumes e nozes). Ingestão de proteínas aumenta o gasto energético, saciedade e perda de gordura, mas não há evidências claras indicando se há uma diferença no efeito depende da fonte de proteína, ou seja, de animais ou alimentos de origem vegetal.

    Gilbert JA, Bendsen NT, Tremblay A, Astrup A. 
    Efeito de proteínas de diferentes fontes sobre a composição corporal. 
    Nutr Metab Cardiovasc Dis. 2011 May 10. [Epub ahead of print] PubMed PMID: 21565478. 
    http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0939475311000020



  4. Mudanças na dieta e estilo de vida, e ganho de peso em longo prazo em Mulheres e Homens.

    Este estudo analisou dados de três grandes grupos de indivíduos que completaram questionários entre 1986 e 2006, com 120.877 mulheres e homens saudáveis americanos não-obesos. As relações entre mudanças nos fatores de estilo de vida e mudança de peso foram avaliados em quatro anos de intervalo. Dentro de cada período de quatro anos, os indivíduos ganharam em média 3,35 libras de peso e foram fortemente associados ao consumo de batatas fritas, bebidas adoçadas com açúcar, carnes vermelhas e carnes processadas e foi inversamente associado com a ingestão de legumes, cereais integrais, frutas, nozes, iogurte (P ≤ 0,005 para cada comparação). Fatores específicos da dieta e estilo de vida estão independentemente associados em longo prazo o ganho de peso, com um efeito substancial agregada e as implicações para as estratégias para prevenir a obesidade.

    Mozaffarian D, Hao T, Rimm EB, Willett WC, Hu FB. 
    Mudanças na dieta e estilo de vida, e ganho de peso em longo prazo em Mulheres e Homens. 
    N Engl J Med. 2011 Jun 23;364(25):2392-404. 



  5. Distribuição de gordura em homens de perímetro da cintura diferente, nível de condicionamento físico e o hábito do exercício.

    O risco de doença crônica é mais baixo em homens obesos que estão em forma e ativos do que os homens obesos que são inativos. MRI foi usado para avaliar o tecido adiposo total e regional em 13 homens pequenos, em forma e ativos (slim-fit), em 12 homens que estavam magros, fora de forma e inativos (o slim-inapto), em 13 homens que estavam em forma com um pouco de gordura e ativos (gordura-fit) e em 12 homens que eram obesos, fora de forma e inativos (gordura impróprios). A circunferência da cintura foi utilizada para distinguir os homens slim ( ou = 100 cm). O consumo máximo de oxigênio foi utilizado para identificar os homens se encaixam (acima da média para a idade) e os homens fora de forma (média ou abaixo para a idade). Os homens fit relataram pelo menos 60 minutos de atividade aeróbia vigorosa por semana e os homens impróprios não relataram atividade regular moderada ou vigorosa nos últimos dois anos. A gordura total não foi significativamente diferente na forma, mas a proporção de gordura interna foi significativamente menor (P <0,05) e as proporções de gordura visceral tenderam a ser menor (P = 0,06) no slim que todos outros grupos. Gordura total não foi significativamente diferente na gordura-fit e a gordura impróprios, mas a gordura visceral e gordura no fígado foram significativamente mais baixos na gordura-fit do que a gordura impróprios (P <0,01).

    A circunferência da cintura e anos de exercício explicou 84% da variância em gordura total, circunferência da cintura e consumo máximo de oxigênio explicou 70% da variância em gordura visceral, e circunferência da cintura isoladamente explicou 25% da variância em gordura no fígado.

    O risco de doença crônica pode ser menor porque a gordura visceral e gordura no fígado são menores em homens que são gordos, em forma e ativo.

    O'Donovan G, Thomas EL, McCarthy JP, Fitzpatrick J, Durighel G, Mehta S, Morin SX, Goldstone AP, Bell JD. 
    Distribuição de gordura em homens de perímetro da cintura diferente, nível de condicionamento físico e o hábito do exercício.
    Int J Obes. 2009 ;33:1356-62.